MAKING OF | Mosqueteiro, personagem de Igor Catto modelado em ZBrush

MAKING OF | Mosqueteiro, personagem de Igor Catto modelado em ZBrush
Desta vez a gente bateu um papo com Igor Catto, modelador e professor do curso Sphera da N-PIX, que trata de modelagem em ZBrush. Catto já passou por produtoras como Glaz Cinema, em que modelou os curtas Historietas Assombradas para Crianças Mal Criadas e Baú do Lú, e pela Graça Filmes. Já foi beta tester do ZBrush e atualmente trabalha na produtora Zombie Studio como modelador, onde fez peças premiadas em Cannes. Chez Restaurant | Peça premiada em Cannes Especializado em escultura digital e tradicional, além de design de caracterização e textura, Catto desenvolveu em um de seus últimos projetos pessoais o Mosqueteiro. igor-catto-mosqueiro-thumb.jp

Clique aqui para ver a imagem em alta resolução - 5k

Ele foi atleta de natação até os 20 anos de idade, porém após esse período, na hora de escolher uma graduação, não queria fazer o curso de Educação Física. O gosto pelo desenho o fez ir em busca da área artística e optou pela faculdade de Publicidade e Propaganda, que cursou até o terceiro ano. Não satisfeito com o resultado e com as informações recebidas na graduação, Catto procurou os cursos externos sobre o 3D, que até então o interessou bastante. Começou a fazer cursos nesta área e, com isso, conseguiu trabalhos na Glaz Filmes e na Graça Cinema, uma produtora gospel, onde fez o Baú do Lú, Historietas Assombradas para Crianças Mal Criadas. Depois de lecionar modelagem 3D, foi para a Zombie Studios, onde está há dois anos e cuida da parte de modelagem auxilia a coordenação de 3D. Catto conta que começou tarde, que em sua opinião por um lado foi ruim, mas também foi bom pois quando começou a estudar 3D já estava com 23 anos. Segundo ele, foi bom ter começado tarde pela maturidade já tinha ao começar. Veja nos trechos a seguir as etapas do processo de construção do personagem Mosqueteiro, que obteve grande destaque nos principais fóruns da área, como o ZBrush Central e CGHUB. **Making of – Mosqueteiro** b2ap3_thumbnail_igor-catto-vistas-mosqueteiro.jpg “Eu sempre faço projetos pessoais. Meu portfólio está bem enxugado, só tem quatro imagens, de umas 20 que tinha. Faço muita coisa, mas não posto muito, porque só posto se eu achar realmente bom. O projeto surgiu a partir de um concept, o Little Druid. Isso é fundamental na parte do 3D, que é mostrar se o profissional sabe interpretar um projeto que é recebido. Em produtoras vejo que hoje a maior dificuldade em contratações, como no caso de freelancers, é difícil encontrar alguém que saiba interpretar um concept proposto pelo contratante. Às vezes eles, os ilustradores, querem inventar de forma errônea. É ruim o profissional não saber interpretar um concept de forma assertiva.” a1sx2_Thumbnail181_portfolio-Igor-Catto-Mosqueteiro3.jpg “Muitas vezes as pessoas vêem um trabalho final e acham que o profissional fez e acertou logo de primeira, esquecem de quantos testes foram feitos. Às vezes o modelador não demora para executar a modelagem e sim para fazer testes de texturas, de composição, como cabelo e etc. Tenho alguns testes, que vocês poderão ver nas imagens. Como detalhe de rosto e rugas. Fiz vários testes com a pele e tudo mais. “ b2ap3_thumbnail_igor-catto-processo-modelagem.jpg a1sx2_Thumbnail181_portfolio-Igor-Catto-Modelagem2.jpg a1sx2_Thumbnail1_portfolio-Igor-Catto-Modelagem1.jpg a1sx2_Thumbnail181_portfolio-Igor-Catto-Modelagem.jpg “Desta forma deu para observar como ficaria o babado, por exemplo. Essas imagens tem bastante testes de rendas, como o local em que estava limpo, onde sujar e fiz comparativos. “ b2ap3_thumbnail_igor-catto-bake-normal-occlusion.jpg b2ap3_thumbnail_igor-catto-cor-base.jpg “Para fazer um trabalho desses é preciso muito teste até chegar num resultado final. É bom fazer um trabalho pessoal porque é o único trabalho que realmente não se tem pressa para entregar. Normalmente, em produtora, você tem prazos de duas semanas no máximo, você executa aquilo que já sabe, não tem tempo para realizar testes. Não é tentativa e erro, é só acerto. No trabalho pessoal é o único momento para poder aprender. Eu costumo no trabalho pessoal tentar impor um limite de tempo, como dois meses, aproximadamente, mas se eu achar que não está bom, continuo trabalhando no modelo até eu achar que está legal. Isso, faço agora, que posso dar tempo para um trabalho como esse. Quando comecei eu tinha pressa para arrumar um emprego, pois não dependia dos meus pais, financeiramente falando. Até para fazer o curso 3D foi difícil, demorou muito tempo para eu arrumar uma vaga no mercado de trabalho, precisava mostrar um portfólio legal. As vezes, eu identificava vários erros nas minhas peças, porém eu postava para conseguir alguma proposta de emprego. Mas hoje a situação mudou, estou trabalhando na minha área e agora viso a qualidade e tentar evoluir. Demoro mais tempo para postar um modelo, e além desse, estou fazendo mais três. Um deles, possivelmente, postarei daqui dois ou três meses. “ b2ap3_thumbnail_igor-catto-teste-texturas.jpg b2ap3_thumbnail_igor-catto-cor-textura.jpg “O projeto, entre as pausas que fiz, demorou quatro meses. Em horas, diretamente falando, gastei um mês e meio. O que me ajuda a evoluir no trabalho é saber aceitar as críticas e pedir ajuda às pessoas certas. Converso muito com amigos e até com pessoas leigas no assunto, o que também é válido, pois enxergam coisas que um olhar técnico não consegue ver.” **Principais pontos** “O que impressiona mais é a textura, claro que se a modelagem não tivesse bem feita não ia ficar legal. Na verdade é um conjunto. Se fosse só modelagem não teria um destaque, seria só mais um. A modelagem corresponder a uns 30 ou 40% do processo, o mais é o comportamento, postura do modelo. O resultado veio de necessidades, estudos e testes que realizei. Para cada modelo que crio, gosto de fazer coisas que eu não sei. Eu não sabia fazer um cabelo direito, então tive como um dos objetivos do desenvolvimento desse personagem aprender a fazer um hair bom. Tanto que a parte mais demorada deste projeto foi o cabelo, que demorei cerca de três semanas até chegar num cabelo que eu queria.“ b2ap3_thumbnail_igor-catto-teste-cabelo.jpg “Fiz vários testes, aprendi no software para conseguir chegar no resultado que eu queria. Outra coisa que achei bacana além do hair, são os bordados. Que era uma duvida que eu tinha, queria fazer um modelo que tivesse uma resolução muito grande em qualquer parte que as pessoas olhassem para o modelo.” b2ap3_thumbnail_igor-catto-processo-bordado.jpg b2ap3_thumbnail_igor-catto-normal-ao-displacement.jpg “Eu quis fazer uma imagem que tivesse uma boa resolução, ter uma ótima visualização, mesmo ao dar um zoom de 400%, em que fosse possível ver os detalhes sem perder a informação. Fiz muitos testes nesse bordado e nas partes do desgastado do couro, que é um ponto que achei que ficou legal.” **Referência** “O concept foi a principal referência mesmo. Para o rosto usei o ator mexicano Danny Trejo. Ele foi minha inspiração. O escolhi para o processo de estilização, que ficou com um aspecto de rosto velho, que passou uma imagem mais imponente para o personagem. Fiz um rosto mais largo e com mais traços antigos.” a1sx2_Thumbnail1_portfolio-Igor-Catto-Mosqueteiro4.jpg “Para os personagens, costumo ter uma referência de alguém que existe. Depois chego a modelar o mais próximo, o que a gente chama de fazer um likeness, um modelo igual, que nesse caso foi chegar o mais próximo do ator Danny Trejo na parte de olhar e depois dei uma estilizada no rosto. Peguei algumas das características como queixo, pele desgastada e bigode. Identifiquei ele no personagem mesmo.” “Para as roupas peguei referências variadas como dobra de calça, dobras das luvas, até alguns modelos em 3D mesmo. Costumo também pegar referenciais de onde não quero chegar. Peguei modelos também do Piratas do Caribe, para ver o tecido e o comportamento.” b2ap3_thumbnail_igor-catto-detalhes-acessorios.jpg

Clique aqui e veja a roupa e acessórios em alta definição

**Construção dos detalhes** b2ap3_thumbnail_igor-catto-espada-modelagem-detalhes.jpg b2ap3_thumbnail_igor-catto-espada.jpg “A parte do babado foi bem simples. Recebi alguns e-mail perguntando sobre. O processo de modelagem é esse mesmo, mas o que o pessoal teve dúvida foi como fiz a renda.” b2ap3_thumbnail_igor-catto-modelagem-babado.jpg “A renda é bem simples.Peguei uma textura de renda, deixei numa cor única e usei um mapa de transparência.Nesse caso, o que está em preto vai ficar transparente e o que está em branco vai aparecer. Eu fiz só as junções com mapa de textura, por isso está um pouco mais amarelado. Usei um tile, que é a repetição de textura para eu ter controle do tamanho das rendas.” b2ap3_thumbnail_renda-textura-bump.jpg **Mapa de transparência** “Fiz uma borda com outra textura, toda a renda tem um acabamento diferente e usei um outro tipo de material. Assim como tem essa máscara de transparências, fiz uma de dois materiais. É como conseguir colocar um ferro e um plástico na mesma superfície, nesse caso consegui mesclar o dois tipos. Não tem muito segredo.” b2ap3_thumbnail_igor-catto-babado-textura.jpg **O seu trabalho está no topo da página do ZBrush Central, que é o principal fórum do programa ZBrush. Como é ter uma visibilidade como essa?** b2ap3_thumbnail_igor-catto-top-roll.jpg Veja o post do Mosqueteiro na página do ZBrush Central “A visibilidade é muito boa. O que muitas pensam é no glamour, o que na verdade não é bem assim. O que tem que acontecer é a continuidade desses destaques, dos trabalhos com um nível um pouco mais alto. Antes eu tive destaques com trabalhos feitos pela Zombie. O meu nome já apareceu três vezes no topo. O que as pessoas devem pensar é que não é por um trabalho especifico que você vai conseguir mais trabalho. O que pega mais é a continuidade que o seu trabalho tem. A dica é manter seu trabalho sempre no topo por quê as pessoas criam confiança no seu trabalho. Em uma carreira profissional é preciso passar pelas etapas, passar por degraus. Faço por que eu gosto e não por obrigação, igual a um curso, você tem que fazer porque está a fim.” b2ap3_thumbnail_igor-catto-mosqueiro-close.jpg **Dicas do Igor Catto para quem está começando e para quem quer se destacar** “Se você está interessado em aprender a mexer no programa ZBrush, é fundamental aprender primeiro a modelagem 3D “tradicional”, que usa técnicas como box modeling e poly by poly e depois juntar com o ZBrush. Se você for fazer só um concept, com o programa ZBrush dá para produzir, mas se for fazer um cinematic ou um modelo para game, o ZBrush seria uns 30% do processo, não seria os 70%, que é a parte poligonal. Também é importante estudar desenho e escultura em massa, além de também saber mexer em um software 3D. E não só o programa e sim o conceito dessas ferramentas, porque uma coisa fala com a outra. O destaque é só uma consequência do estudo. Para se chegar numa excelência, acima da média, é preciso dedicação no que faz, independente do seus compromissos pessoais. É preciso ter força de vontade e a garra de conquistar.” Não perca nenhum detalhe. Clique e confira o turntable do personagem em Alta Resolução **Obrigado, Igor. Nós aqui da N-PIX estamos muito orgulhosos do seu trabalho.** Site do Igor Catto E para você que chegou até aqui pode pegar o fundo de tela do mosqueteiro. Basta clicar aqui e salvar a imagem (4000x2250). a1sx2_Thumbnail1_igor-catto-mosqueteiro-protetor-de-tela-thumb.jpg

Continuar lendo
logo
NPIX ENSINO E AUDIOVISUAL | CNPJ 14.455.799/0001-15
SEDE ADMINISTRATIVA: AV. ENG. LUIS CARLOS BERRINI, 550 11º ANDAR - SÃO PAULO - SP - 04571-000
© Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Guilherme Vieira