Palestra Game design e programação - Peter Walsh @ Vancouver Film School

A palestra será dia 28 de setembro de 2016, às 19:30 (horário de Brasília)

Aproveite e faça perguntas pelo chat! :)

Continuar lendo

Modelo 3D grátis: luminária Royal Navy por Pedro Aleixo

Modelo 3D grátis: luminária Royal Navy por Pedro Aleixo

O professor Pedro Aleixo do curso Coliseu - Maquete Eletrônica em 3ds Max e V-Ray disponibilizou para todos o modelo dessa luminária com todos materiais e detalhes.

Você fica livre para usar em seus projetos e também para estudar como o modelo foi feito.

O modelo está disponível nos formatos MAX e OBJ: Faça o download aqui.

 

Continuar lendo

Nathália Gomes fala sobre a carreira e o mercado de trabalho de Pintura Digital

Nathália Gomes fala sobre a carreira e o mercado de trabalho de Pintura Digital

Nesse post temos uma entrevista coma a Nathália Gomes, ilustradora e nossa professora do curso Persona - Concept de Personagens. Ela vai falar da da evolução na carreira, do mescado de pintura digital e da sua participação ilustrando card games como Game of Thrones e Lord of the Rings, entre outros. Além disso você vai saber como produzir portfólio mesmo isolada em um prédio cercado de manifestantes, sentindo o cheiro de gás lacrimogêneo.

Guilherme Albuk – Quando que começou o seu interesse por arte? Como a arte é bordada na faculdade?

Nathália Gomes – Eu sempre desenhei desde criança Sempre quis fazer uma coisa relacionada a desenho. Foi só no terceiro ano que eu descobri que existia a faculdade de Belas Artes, devido a uma visita na escola para conhecer os cursos... Aí, eu fiz o vestibular e passei logo de primeira. Só que lá é mais complicado, porque na faculdade a arte pode ser qualquer coisa. Então, no início, o aluno fica completamente perdido. Ele é influenciado por várias correntes estilísticas e se pergunta: "O que eu tenho que fazer? Eu tenho que fazer o que as pessoas fazem hoje em dia? Arte contemporânea?" Enfim, e eu nunca curti arte contemporânea, eu nunca curti abstração. Então, eu fiquei meio decepcionada. Aí, até ter aulas com professores que eram mais acadêmicos, principalmente século XIX, eu comecei a gostar de pintura realista. Só que como pintura, hoje em dia, isso não sobrevive mais, não tem mercado para pintura realista, tradicional.
Então, a descoberta da arte digital me ajudou bastante porque eu pude fazer o que eu gosto, o tipo de pintura que eu gosto e ter mercado para ela.

Guilherme Albuk – Então como é o mercado de ilustração hoje em dia?

Nathália Gomes – O mercado de ilustração, hoje em dia, é todo digital, salvo artistas mais antigos, mais velhos, que ainda fazem ilustração tradicional. Hoje o mercado pede algo rápido e a arte digital é rápida de ser feita. Não é que nem o trabalho do Frazetta, que é lindo, mas é tradicional, então demora para ser feito. E eu também curti. Curti bastante trabalhar com arte digital, até porque o Photoshop oferece vários recursos que ajudam, só que são, assim, são ferramentas, não pode ser uma muleta. É bom desenhar mesmo, fazer o desenho todo à mão e depois ir usando os recursos.

Guilherme Albuk – Esse trabalho aqui foi um dos seus primeiros e mais importantes. Conte pra gente um pouco sobre ele.

Nathália Gomes – Eu estava querendo ter trabalho para mostrar, porque até então era mais estudo. Então, eu queria ter trabalho meu mesmo, para poder ter portfólio e eu me surpreendi bastante com o resultado, porque até então eu tinha algumas dificuldades ao usar o Photoshop e a tablet E uma amiga minha, que também era da faculdade, ela me ajudou. A gente meio que tinha um grupo de estudo, cada um ajudando o outro, porque a gente não tinha nenhum curso de pintura digital. Então, foi só basicamente estudando pintura tradicional e aplicando para pintura digital. A técnica é basicamente a mesma, porque a gente faz a divisão de claro e escuro, as cores também. A diferença é que não tem que esperar secar.

Nathália Gomes – Esses primeiros foram trabalhos pessoais mesmo, para portfólio. É o que eu sempre falo para os alunos, que a princípio a gente não tem cliente. Então, a gente tem que montar os nossos trabalhos pensando que fosse trabalho profissional mesmo, para mostrar. Senão ninguém vai saber o que a gente sabe fazer.

Nathália Gomes – E eessa arqueira, eu fiz pensando em card game, porque eu já queria trabalhar nessa área. Aí, eu pesquisei alguns artistas, alguns trabalhos e fui seguindo esse modelo. Cenário, ação, uma cena...

Guilherme Albuk – E aí, esses trabalhos abriram portas para você?

Nathália Gomes – Sim. O primeiro trabalho de card game que eu peguei foi esse dragão, são quatro dragões. Esse é o que eu mais gostei. São quatro evoluções, elas só vão mudando algumas coisas. Esse trabalho eu fiz junto com um antigo estúdio que eu trabalhava.

Guilherme Albuk – Entendi, entendi. E desses trabalhos aqui, qual que você mais gostou de fazer? Ou pela dificuldade técnica, ou desafio técnico, ou porque você teve que... Sei lá, fazer uma coisa um pouco diferente. Qual que você mais gostou de fazer desses que estão aqui na tela?

Nathália Gomes – Aquele com o guerreiro, ali em cima, do lado da... Desse... Nossa, eu estou apontando como se desse para ver, mas tudo bem. Esse aí mesmo. Foi um dos primeiros personagens masculinos que eu fiz. Normalmente, a maioria é mulher, e com a armadura mais completa também.

Nathália Gomes – Então, eu tive que pesquisar bastante referência, para poder conseguir fazer um trabalho bacana, e a personagem da frente usa uma referência do Frazetta, que eu também estava estudando. Foi um trabalho que eu gostei bastante de fazer, eu lembro até que foi na época que teve aquela manifestação lá não Rio de Janeiro, de R$ 0,20… Eu estava ilhada no centro do Rio, aí eu comecei a trabalhar. Barulho de bomba de gás e eu lá pintando. Mas gostei bastante de fazer esse trabalho e trabalhar na armadura, pensar na textura, metal. Foi um trabalho bem legal mesmo e a mulher do lado também, com cavalo, foi a primeira vez que eu fiz um personagem com outro tipo de criatura que não fosse humana, também gostei de fazer.

Nathália Gomes – Essa foi o primeiro card game que eu fiz depois do dragão, que foi diretamente comigo. Foi para o jogo Hex - Shards of Fate. Foi um dos primeiros que eu fiz sozinha, sem usar agente ou o estúdio. Foi bacana porque era um briefing de uma linha s'ó . Teve só uma alteração para pedir uma mudança na mão e foi aprovadobem rápido. Isso é bom.
E esse aí, da Elfo, foi para a Fantasy Flight, um jogo do Senhor dos Anéis. E eu estou fazendo outros cards para eles esse ano. Inclusive, eu estou fazendo um agora para o jogo do Game of Thrones, que é legal, porque não segue a série. Então, você tem que criar pensando no livro. Não é para usar o ator da série. Nem pode. tem que criar do zero.

Nathália Gomes – E as cartas, elas são mandadas para aprovação final pela... Pela equipe do George R. R. Martin, ou pela equipe do Tolken. É bem bacana trabalhar com eles.

Guilherme Albuk – E como que você chegou nessas pessoas? Nessas empresas que faziam esses cards games?

Nathália Gomes – Sim, eu mandei e-mail com portfólio. E mesmo, se por acaso responderem, no momento não estamos precisando, ou nem responderem, sei lá, renova o porfólio e manda de novo, daqui há dois meses.

Nathália Gomes – Porque, às vezes, a empresa está procurando uma coisa específica, que você não tem no portfólio, e eles não vão presumir que você sabe fazer.

Nathália Gomes – O cliente é bem assim, bateu o olho... “Ah, eu quero algo assim...” Não vai imaginar que você saiba fazer. É igual... O meu portfólio basicamente não tem peça sci-fi, tem uma mulher ali, mas nem é muita coisa. Então, jamais um cliente vai me chamar para fazer uma coisa de arma, de tiro, de guerra, porque eu não tenho nada disso. Também não tenho muito interesse...

Nathália Gomes – Então, eu sempre falo para o pessoal que está começando, é bom sempre estudar, fazer cópia. É um pouco chato, mas eu mesma fiz uma cópia esses dias de um artista que eu curto muito, para poder pegar um pouco da... Até porque era um desenho de um homem, eu queria pegar traços masculinos. Também porque eu gosto um pouco da pincelada dele. É importante porque você acaba vendo como é que o cara resolve, e quando você vai fazer o seu trabalho, você lembra, você fica com essa lembrança do estudo e acaba aplicando essa solução ao trabalho. Então, mesmo que faça, sei lá, um trabalho pessoal e depois faz um estudo, porque o estudo não é para portfólio, não é para postar, é pessoal, é estudo. Então, eu aconselho a estudar, procurar artistas que você se identifique, que a pessoa se interesse, goste do trabalho, tanto digital quanto tradicional. Sempre ter alguma... Um norte, algo para se... Não para copiar, mas para se inspirar. E procurar também qual mercado você quer atingir. Por exemplo, eu pensei, primeiramente, em card game. E, depois, comecei por capas de livros, mas capas de livros veio, assim, sem eu procurar. Depois que eu comecei a me interessar mais, porque tem também mercado. Não tanto quanto, mas tem. Então, fazer um portfólio voltado para isso. Bom, e mandar portfólio, para procurar empresa. Essas duas que eu fiz, eu já conhecia por outros ilustradores que fizeram, mas eu fui procurando também outras que possam estar contratando freelancer, em sites de rede social de artistas tem. E, se mantendo atualizado e produzindo trabalho pessoal, porque não dá para esperar.

Continuar lendo

Palestra Desmistificando os Codecs por Guilherme Albuk na FilmeCon

Palestra Desmistificando os Codecs por Guilherme Albuk na FilmeCon

Olá pessoal!

Semana passada apresentei uma palestra sobre codecs na FilmeCon.

Antes de mais anda, queria agradecer as mais de 500 pessoas que estiveram lá. Também foi muito legal ter um feedback imediato das pessoas que vieram conversar comigo durante o evento.

Estou disponibilizando abaixo os slides e vídeos usados na palestra. Você também pode fazer o download da apresentação no SliseShare.

Se você quiser sobre a apresentação ou tirar qualquer dúvida, pode me escrever no Twitter ou no Facebook.

Abraços e nos vemos na próxima FilmeCon!

 

Continuar lendo

NUKE STUDIO e NUKEX 9 beta estão disponíveis para download!

NUKE STUDIO e NUKEX 9 beta estão disponíveis para download!

header-NUKE-STUDIO-beta.jpg

Depois de meses aguardando para colocar as mãos no NUKE STUDIO, desde o seu anúncio na última NAB, está disponível para download a versão beta da família do NUKE 9, que inclui também o NUKE STUDIO e o NUKEX 9.

Se quiser saber mais sobre o NUKE STUDIO, veja esse post que fizemos sobre ele.

Para fazer o download, basta entrar neste link.

Nessa página também há uma listagem detalhada dos novos recurso. Vale a pena ler e conhecer todos eles.

Eu estou gostando muito do que vi até gora. E você? O que achou?

E se você quiser aprender ou aprimorar seus conhecimentos em NUKE, conheça o nosso curso Mystique. Inclusive já estamos comentando sobre o NUKE STUDIO nas videoconferências e em breve estará no currículo regular do curso.

my_horizontal_aviao.jpg

Continuar lendo
logo
NPIX ENSINO E AUDIOVISUAL | CNPJ 14.455.799/0001-15
SEDE ADMINISTRATIVA: AV. ENG. LUIS CARLOS BERRINI, 550 11º ANDAR - SÃO PAULO - SP - 04571-000
© Todos os direitos reservados

SiteLock